segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Poema Choro / Cry Poem

Não chores
porque eu já te amei;
não chores
porque eu já te dei tanto;
não chores
porque já fomos felizes
já percorremos tanto
juntos e bem amados;
não chores
porque não aguento ver
as tuas lágrimas tão dolorosas.

Se um dia vi as tuas lágrimas
foi acidentalmente que as criei;
se um dia tu não comeste
derivou à minha sensibilidade;
se um dia não dormiste
fui eu que criei isso;
peço-te desculpa mas já choro também
por não te ter ao meu lado;
já não temos os nossos planos
que nos divertia tanto
e o tempo era uma mera indiferença.

Não derrames mais lágrimas
senão crias umas inundação no meu coração;
não derrames a dor
senão por culpa eu fico coberto de setas da mágoa libertada;
não te deixeis ir abaixo
senão a tua cor passa ao preto negro dos meus dias;
peço-te perdão
não queria de todo magoar-te,
não queria de todo fazer-te sofrer,
não queria de todo deixar-te na merda,
não queria de todo fazer de ti a pessoa mais fraca,
sou tanto ou mais vulnerável que tu, ou até fui sempre?
talvez mesmo!,não tenho a tua força de amor,
não tenho tanto sorriso como o teu,
não brilho tanto como tu brilhaste para mim
nos jardins da nossa cidade romântica.


Não derrames as lágrimas,
agora será diferente;
serei o teu eterno jardim, o teu eterno roseiral;
serei a água gelada que bebes;
serei o doce que metes nas tostas;
serei o teu manto de abrigo de todos os ataques;
serei a tua capa protectora;
serei o teu abrigo quando a tempestade vier;
serei o teu conforto nos dias de chuva;
serei tudo que quiseres apenas te quero proteger
apenas quero que dures tanto como a luz que no céu ergue-se.


As lágrimas agora serão beijos
abraços, caricias, amor;
amor tão verdadeiro como os dias de sol;
amor tão verdadeiro como o doce que gostas;
amor tão verdadeiro este que agora
Estamos juntos a beijar-nos
no jardins onde fomos sempre felizes.



Autor : Carlos Cordoeiro
            (poema escrito inspirado na música Cry Baby de Cee Lo Green).

Sem comentários:

Enviar um comentário