quinta-feira, 23 de agosto de 2018

MIMOS

http://mestrelaoliveira.blogspot.com/

EM CIMA está o link de um novo blogue, por favor vejam, cliquem, admirem mas claro façam já as vossas encomendas através do contacto:

mestrelaoliveira@gmail.com 


Este blogue chama-se MIMOS.

Consiste num blogue de Artesanato Português, em específico trabalhos como rendas, bordados, lã entre outros associados há tradição portuguesa.

Todos os trabalhos apresentados são feitos à mão, com qualidade e claro com os produtos certos para obter um resultado final excelente.

Os trabalhos são baseados na tradição portuguesa, uma vez que, é escasso o número de pessoas que se dedicam a artes muito específicas e tradicionais, no entanto o MIMOS pretende ser diferente, pretende ser um blog que dá a conhecer e vender....uma Arte que em Portugal teve, tem e certamente terá forte expressão, como é o caso das rendas, bordados, lãs entre outros trabalhos semelhantes. 

Cada vez mais, através do Turismo e de outras realidades económicas, o Artesanato Português tem tido um forte impacto como tal, todas as áreas artesanais estão a voltar em força, e queremos aproveitar essa onda, para mostrar os produtos feitos à mão, do MIMOS.

sábado, 14 de julho de 2018

Poema Sonho

Sonho por tudo e por nada,
sonho pela vida e pela morte,
pelo bem e pelo mal,
pela sorriso pelo choro,
pela alegria pela tristeza,
pelo amor pelo ódio,
pelo belo pelo feio,
simplesmente sonho de forma intensa.

Sonho através do cansaço
sinto-me cansado, acordo cansado
sinto-me em constantes sustos
mas sei que estou por aqui
algures entre vida e morte
simplesmente sonho, canso-me, sonho
isto é doloroso, isto é cansativo, isto é exaustivo
simplesmente sonho de forma intensa.

Autor: Carlos Cordoeiro.

Poema Uma Despedida

Uma despedida...
tão dolorosa como esta,
criou em mim uma dor,
um mágoa tão grande, como este oceano de sofrimento.

Recordo, em parte, mas não totalmente
através de fotografias, momentos tão bons
espalhados pelo sofá, pelo chão,
pelo meu coração, por isso choro constantemente.

Junto ao sofá, ao braço do sofá
choro constantemente
a dor, é tão grande mas ao mesmo tempo
confuso, sentir tudo isto sem saber porquê.

Apenas simplesmente choro a despedida
de algo bom, mas difícil dizer
pois dói-me o coração e a Alma de tanto chorar
por perder algo que não consigo dizer.

Autor: Carlos Cordoeiro.

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Poema Um Pássaro, Um Canto

Um Pássaro, Um Canto
que ecoa pelos ares
da minha casa
através de brisas matinais.

Um Pássaro, Um Canto
que sinto, todos os dias
que de forma sublime
deixa os meus dias mais alegres.

Um Pássaro, Um Canto
que me preenche os dias,
e que faz de mim
tanto sonhador, como apaixonado.

Um Pássaro, Um Canto
que faz de mim, algo voador
seja como libertador ou sonhador
mas sempre em grandes céus!


Autor: Carlos Cordoeiro.

sábado, 23 de junho de 2018

SÃO JOÃO 2018


BOM SÃO JOÃO PARA TODOS 

MUITA ALEGRIA
MUITA BORGA

MUITA DIBERSÃO

MUITA DANÇA

MUITOS GRITOS

MUITA SARDINHADA

MUITO ALHO PORRO

MUITO MARTELADAS

MUITOS MANJERICOS

MUITAS BRINCADEIRAS

MUITA MALUQUICE

BOM SÃO JOÃO A TODOS OS MEUS AMIGOS, CONHECIDOS E TODA A GENTE DO PORTO E DE PORTUGAL.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Poema Podia Ser Pior

Podia Ser Pior
mas não foi
afinal estamos juntos
mesmo na pior guerra;
Podia Ser Pior
mas não foi, embora pareça
mas acredita em mim
isto vai ser tão brilhante;
Podia Ser Piormas não é, há pessoas
que estão pior que nós
e vivem mesmo assim;
Podia Ser Piormesmo que pareça tudo escuro
eu vejo tantas estrelas a brilhar
para nós, para ti também.




Podia Ser Pior
mas estamos aqui
na guerra, na discórdia,
nas más palavras, mas juntos;
Podia Ser Piortemos feridas, temos sangue,
temos mágoas sobre forma de lágrimas
mas ainda estamos de pé:
Podia Ser Piormas nunca foi, apenas se viu tudo negro
tudo tão cinzento, que a chuva pareceu cor
mas não é por isso que se desiste;
Podia Ser Pior 
mas eu sei que não foi
porque ainda estamos aqui
e temos as armas necessárias.

Autor: Carlos Cordoeiro.

Poema O Filme Já Passou

O Filme Já Passou
penso que vimos os dois...este filme,
não era bom nem mau
éramos os dois inocentes
apenas o entendemos depois
quando já éramos um pouco preversos
mas sem maldade aparente.

O Filme Já Passou
tipicamente rosto junto ao vidro
a chover gotas agressivas
e uma música final de despedida
mas o final nunca foi nosso
nem nunca será, ainda te amo
e tu? como te sentes? 

O Filme Já Passou
mas ainda fica a eterna imagem
do melhor momento, do melhor plano
que no nosso caso, foi o Grande Plano
do nosso beijo, desajeitado
mas ainda assim perdido de amores
pelo menos na intenção!

O Filme Já Passou
eu gostei do filme, bem ele éramos nós!
Sim - o começo era estranho, mas há medida
que íamos vendo, gostava cada vez mais
afinal  tudo isto foi sobre um grande amor
nunca antes visto, melhor que Romeu e Julieta
era o nosso amor em imagens de um filme que ganhou Óscares.

Autor: Carlos Cordoeiro.

Poema O Sol De Amanhã

O Sol De Amanhã
poderá ser tão luminoso
como em tempos já vi
mas ainda é tudo muito incerto;
O Sol De Amanhãpoderá trazer-me algo de bom
mas por agora só vejo as estrelas
que me iluminam o sono e a Alma;
O Sol De Amanhãtalvez me aqueça o coração
mas por agora sinto
e imagino tudo que de bom há-de vir;
O Sol De Amanhãtalvez me traga coisas boas
mas talvez pense nisso
quando as estrelas brilharem em mim.




O Sol De Amanhã
é quente como o amor
que em tempos senti
mas que agora estar por dar;
O Sol De Amanhãé tão puro e intenso
como tudo isto que já sentimos
mas que agora eu escrevo;
O Sol De Amanhãtalvez seja tão forte e poderoso
como as palavras que um dia disse
nos dias mais amargos de um limão;
O Sol De Amanhãcertamente que me irá trazer
um bom futuro mas por agora
prefiro imaginar e sonhar.


Autor: Carlos Cordoeiro.

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Painel Desenho



Artist: Carlos Cordoeiro
Title: Painel
Material: Lápis de cor | Colored Pencil 
Size: 29,7 x 42 cm (folha A3)
Date: Abril | April 2018

Preço | Price : 15€

Email: carlosaocordoeiro@gmail.com

quarta-feira, 11 de abril de 2018

A Fonte (PPL)

https://ppl.com.pt/prj/a-fonte


A Fonte, é a obra que eu intitulei ao conjunto dos meus poemas, que tenho escrito ao longo dos anos que servem como reflexo dos dias que vivo, embora alguns sejam fictícios em termos de vivências.
A Fonte, é a obra que eu intitulei ao conjunto dos meus poemas, que tenho escrito ao longo dos anos que servem como reflexo dos dias que vivo, embora alguns sejam fictícios em termos de vivências.
Os poemas, que eu escrevo servem no fundo para transmitir às pessoas sensações, vivências e sentimentos e também libertar-me daquilo que penso ser um peso, ou seja, libertar daquilo que faz a pessoa sentir-se menos bem.
É de pequeno, que tenho este gosto pela escrita, aliás eu escrevo poemas pelo menos desde os 13 anos, claro que ao longo dos tempos, fui evoluindo a temática e aperfeiçoando os detalhes.
Com este projecto, eu tenciono mostrar às pessoas que através da poesia, pode-se transmitir mensagens, ideias, ideais, em que junto de outras pessoas construir-se um mundo melhor.
Através de uma escrita poética, criativa mas também sincera, honesta e verdadeira pretendo mostrar um lado da vida completamente transparente, sem filtros ou clichés, ou seja, a poesia tal e qual como é.
A Fonte, será uma obra que tenciono publicar com a vossa ajuda, pois assim, transmito as mensagens que quero, ou seja, quero mostrar a todos vocês os meus versos, os meus poemas, pois assim as pessoas que forem ler possam identificar-se de alguma forma.

SOBRE O PROMOTOR 

Sou o Carlos Cordoeiro - nasci 1991 - Porto.
Tenho o Curso de Produção Artística - Especialização em Cerâmica, pela Escola Artística de Soares dos Reis - Porto.

Fiz 5 exposições (3 colectivas e 2 individuais)
Fiz dois cursos profissionais: Técnico Comercial (CECOA) e Técnico Secretariado (ISESP).
Fiz um estágio de 1 mês e meio na empresa Toys"R"Us no âmbito do curso profissional Técnico Comercial (CECOA Porto).
Considero-me uma pessoa criativa, visionária, sonhadora mas no bom sentido, tenho em mente muitos projectos em várias áreas como por exemplo arquitectura, poesia, desenho, pintura, entre outras áreas artísticas que venho a desenvolver desde tenra idade, mas é mesmo assim, gosto de mostrar os meus trabalhos ás outras pessoas, sinto-me bem. 



quarta-feira, 28 de março de 2018

Poema Podia Amar-te

Podia amar-te tal e qual
como tudo isto que vivo
contigo de forma natural
mas que ainda me deixo-me ir.

Podia deixar-me ir
como ao sabor do vento
e também de algo sublime
como os nossos beijos mais íntimos.

Como os nossos beijos
podia libertar um amor maior
que me deixaria loucamente
liberto, para poder-te amar ainda mais.

Para poder-te amar mais
precisava simplesmente de me deixar ir
e saber que contigo posso
e sei mesmo como libertar.

Autor: Carlos Cordoeiro.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Poema Esperei Por Ti

Esperei por ti de tanto amar-te
mas as palavras simplesmente eu choro
como o amor por ti, que é forte
e intenso como o café mais intenso e puro.

É difícil aguentar todos estes momentos
em que penso estar perto de ti
mas simplesmente a lembrança
ainda nos faz ter muito mais saudades de um amor a acontecer.

Tento esperar por ti
enquanto olho pelo vidro
enquanto tomo um café
e escrevo pequenas lembranças, como esta.

Esperei por ti
na tentativa de ter Amor
como forma de expressão poética
de tudo isto que sinto por ti.

Autor: Carlos Cordoeiro.

Poema Dia do Pai

Hoje é um dia especial
duas estrelas
uma ausente, outra presente
as duas no meu coração.

Nomes iguais
vidas diferentes, rumos diferentes
embora um brilho semelhante
mas nunca os dois por igual.

Somos talvez parecidos
pelo menos no nome
mas quero acreditar
que brilhamos um pelo outro.

És tão grandioso como eu
sonho e imagino,
eu ainda cresço como um
fraco e delicado rebento.




Por ti sonho e imagino
imagino-te como estrelas
brilhantes e cheias de oportunidades
que eu quero agarrar.

Imagino uma verdadeira leveza
que é indescritível
mas que é forte em sensações
pelo menos eu acho isso.

Gosto de tudo isto
de me sentir bem
de estar bem e feliz
mesmo que seja prematuro ou incerto.

Eu imagino todos os dias
presente no meu coração
um brilho diferente
mas para sempre duradouro.

Autor: Carlos Cordoeiro.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Poema Tenho Tantas Saudades Tuas

Tenho Tantas Saudades Tuasacredita que  tenho, tu sabes que sim
já passam algum tempo, que não nos falamos
como loucos que nos perdemos em nós mesmos;
Tenho Tantas Saudades Tuasde deixarmos o tempo decidir o que fazer
e como fazer as coisas mais simples da vida
os momentos mais queridos e sinceros que gostamos;
Tenho Tantas Saudades Tuas 
das nossas conversas que simplesmente
perdiam-se pelo tempo, como nós
que nos deixávamos levar pela brisa mais leve;
Tenho Tantas Saudades Tuas
que sinto que posso ser ou estar cada vez mais perto
de ti como algo sincero e puro
como aquilo que somos tão naturalmente.




Tenho Tantas Saudades Tuas
que não sei bem porque me deixo entristecer
se sei que irei voltar a ver-te brevemente
e saberei o fim deste encontro;
Tenho Tantas Saudades Tuas
que começo a recordar as conversas,
as memórias que se tem inevitavelmente
pelas pessoas que nos são especiais;
Tenho Tantas Saudades Tuasque sei cada momento ao pormenor
que vivemos de forma tão sublime
como o cair das folhas no Outono;
Tenho Tantas Saudades Tuasque sinto o frio da falta da  tua presença
como este inverno gélido
que faz ter saudades do que eu mais gosto.

Autor: Carlos Cordoeiro.

sábado, 27 de janeiro de 2018

Poema Podes Ser Maior

Podes Ser Maior
mesmo quando os outros te querem
ver como algo pequeno,
mesmo que seja de forma acidental;
Podes Ser Maior
daquilo do que és
se esse for o teu sonho,
e como tal poderás brilhar tanto;
Podes Ser Maior
do que sonhaste, podes tentar
e ser tão grande ou maior que uma estrela
que brilha para ti, e tu para ela;
Podes Ser Maior
mesmo quando os outros não acreditam em ti
mesmo quando as palavras são duras
mesmo quando as palavras são de amor.




Podes Ser Maior
mesmo quando achas que tudo vai desabar
mesmo ao achares por segundos que não mereces nada
mas ainda assim continuas a lutar;
Podes Ser Maior
se acreditares constantemente no que te faz sorrir
ao tentares o que te faz feliz
aquilo que faz-te brilhar;
Podes Ser Maior
até ao ultimo suspiro
até ás tuas ultimas forças
até as tuas energias faltarem mas o teu espírito estar lá em cima;
Podes Ser Maior
se acreditares que consegues o que desejas,
se desejares aquilo que sonhas
se sonhares aquilo que vês como um brilho maior.

Autor: Carlos Cordoeiro.

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Poema Nunca Te Vou Esquecer

Nunca Te Vou Esquecer
mesmo sabendo que a partida foi dolorosa
e eu fiquei aqui apenas a recordar
e por isso não sei o que perdi;
Nunca Te Vou Esquecermesmo sabendo que por aqui foste um grande Homem
pelo o que diz o Amor da Mãe por ti
que foi sempre eterno e sincero;
Nunca Te Vou Esquecermesmo não te vendo
guardo de ti uma recordação feliz
mesmo agora, que és uma estrela;
Nunca Te Vou Esquecer
precisamente por me recordar de ti
todos os dias, como uma memória presente
e por isso estás aqui todos os dias.




Nunca Te Vou Esquecerpor saber que és sempre uma luz
uma luz que intensamente nos brilha
por isso sabemos quando estás;
Nunca Te Vou Esquecerpor saber que tenho o teu nome
como recordação e memória
por isso guardo-te como presença;
Nunca Te Vou Esquecerpor saber que estás sempre aqui
por isso nunca tenho saudades
mas sim amor e carinho por ti;
Nunca Te Vou Esquecer 
por saber que estás constantemente aqui
porque eu sinto-te completamente
como um todo, por isso sinto-te na totalidade, em todo o teu esplendor.

Autor: Carlos Cordoeiro.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Poema Ainda Te Amo

Ainda Te Amo 
mesmo que nada aconteça
tenho a esperança que tudo isto
seja passageiro;
Ainda Te Amo 
mesmo sabendo que estás com outro,
mas eu ainda estou apaixonado,
por isso insisto em nós, mesmo que apenas de um lado;
Ainda Te Amo
por isso te quero seja de que maneira for
mesmo que seja em sonhos, ou até à distância
desde que haja algo que nos faça brilhar mutuamente;
Ainda Te Amo
por isso penso em deixar-me levar
por ti, por este teu perfume que me faz levar
e arrastar por ti constantemente, como este amor jovem.




Ainda Te Amo
por isso ando meio zonzo, ando desorientado
não sei bem por onde ando, nem o que faço
apenas sei que a minha orientação és tu;
Ainda Te Amoainda que ande meio perdido para tentar encontrar
o beijo mais doce que faça dos meus lábios
seda ao beijar aquilo que eu mais desejo;
Ainda Te Amosei perfeitamente disso, desde que te encontrei por acaso
mas logo soube que éramos algo de especial
e por isso arrisquei contigo um Amor difícil de se descobrir;
Ainda Te Amo 
por isso continuo perdidamente a escrever-te
mesmo que isso seja de loucos, como tudo isto que sinto
mas oh menos tentei e irei sempre tentar amar-te como agora.

Autor: Carlos Cordoeiro.

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Poema Momentos

Há dias em que não nos damos lá muito bem,
mas ainda assim trocamos uma ou outra palavra
mesmo que misturada com alguma amarga sensação
de acidez do momento que depois se torna tão doce como nós.

Oh por amor de D-us, sinceramente queremos o bem um do outro
mas é tanta a conversa de atirar um ao outro os defeitos mas por
amabilidade amigável que nos faz sorrir e estranhar as
consequências de verdades que partilhamos mas não gostamos, em parte.

Somos Amigos, de forma completamente invulgar
ambos nos completamos de forma aleatória, sem saber o que somos,
de que maneira alimentamos tudo isto, mas no entanto nas horas difíceis
estamos constantemente nos momentos certos, e temos as palavras exactas.

Somos aquilo que alguns invejam, temos cumplicidade que alguns casais não têm
somos algo tão brilhante como as estrelas que eu contemplo e tu as desenhas por isso
somos algo como dois em um, fazemos parte um do outro mesmo que separados
por isso torna-se tudo mais invulgar, e tudo mais desconhecido, como tudo isto.

Autor:Carlos Cordoeiro.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Poema Desculpa

Posso-te fazer um Poema? A pedir-te desculpas?
Posso?


Peço desculpa se fui um parvo,
que não medi as palavras
muito bem, mas não sou lá muito bom
com medidas, apenas com sentimentos.

Peça desculpa pela estupidez
De querer fazer-te rir mas não ter jeito
nenhum, mas ainda assim sou parvo em
querer tentar fazer rir uma pessoa como tu.

Acho que sou tão distraído que nem sei bem
os teus gostos e como és mas ainda assim
poderemos ser amigos mesmo de que forma
estranha, mas ainda assim vou tentar ser mais.

Acho que devo pedir desculpa por ser tolo, parvo
maluco e talvez ridículo mas deixa lá todos somos
um pouco ou muito, o que interessa é este espírito
livre e solto, deixar-mo-nos levar pela boa onda.

Autor: Carlos Cordoeiro.

sábado, 30 de dezembro de 2017

Poema Vou Ser A Falsidade

Vou ser a falsidade por dias que já o são
embora eu consiga ser a falsidade todos os dias
simplesmente basta querer aquilo que nunca quis
mas insistem constantemente em querer mudar-me, o rumo.

Vou ser a falsidade, assim pode ser que seja diferente
aos olhos dos outros tudo é demasiado simples e fácil
apenas se deve fazer e não queixar, simplesmente é o que se quer
mas por amor de D-us, menos insistência por favor.

Vou ser a falsidade, parece ser necessário constantemente
visto que tudo que faço ou digo seja algo como contradição
ao olhar do outro que analisa, observa e censura mas simplesmente
devo viver, ou viver com o receio e o medo de sentir tudo isto instável?

Vou ser a falsidade, parece ser de melhor compreensão para com o outro,
Talvez, ser falso num mar de gente verdadeira parece ser um desafio mas uma
verdade, verdades rendilhadas de falsidades e de aparências e insistências,
enfim o costume dos dias de hoje, e das pressões de hoje.

Autor: Carlos Cordoeiro.

domingo, 24 de dezembro de 2017

Poema A Partida

A partida agora é...tão intensa, como
foi o nosso primeiro olhar, assim como
o nosso primeiro beijo que fez-te deixar cair a mala
e eu ficar a tremer de emoção e prazer.

Tudo isto é demasiado intenso só para nós,
dificilmente iremos aguentar tanta saudade
visto que o nosso Amor sempre foi eterno e há-de ser,
bem como todas as lembranças que eu tenha de ti.

Agora tudo é demasiado duro por te ver partir
mas ainda assim sei que me amaste e eu a ti
de forma incondicional e que serás sempre o meu brilho
e por isso posso sentir-te com tanta força, como o teu abraço que sonhei.

Sim, a partida é mágoa sobre lágrimas completamente sentidas,
lágrimas que inundam toda a minha alma e fazem um lago chamado dor
mas que no meu coração transparecem Amor que tu e eu tínhamos
e sentíamos um pelo o outro, por isso eu te Amo Sempre Meu Pai.

Autor: Carlos Cordoeiro.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

FELIZ DIA DA MÃE


Alphonse Mucha
Morning Star

Feliz Dia da Mãe, porque hoje é dia 08 Dezembro, feriado, mas também é o Dia da Mãe como antigamente, por isso Mãe, que sejas como esta estrela da manhã, que me ilumines todas as manhãs,todos os dias, para sempre!






sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Poema Primavera

Enquanto as flores floriam
eu olhava pelos campos que se estendiam
por prados verdejantes e coloridos
ao teu lado como meu grande Amor.

Enquanto as trémulas flores
timidamente se mostravam aos raios de sol
e eu via e sentia os raios iluminarem a minha face
sentia o teu amor, aqui ao meu lado - que bom.

Esta Primavera tão apetecível
como os teus beijos tão sublimes
como esta brisa que sentimos
enquanto estamos sentados neste banco ao ar que nos esculpe.

Esta Primavera que tanto admiro
como aprendi a admirar-te
te tão sublime e simples que és como as flores
que crescem tão calmamente no campo e perfumam o ar.


Poema escrito ao som de Chopin - Spring Waltz (Mariage d'Amour).
Autor: Carlos Cordoeiro

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Poema Piú Ni Domu

Piú Ni Domu
qui no hái outro cui
siotti me allegro
niodum più etat;
Piú Ni Domuquo nitt vidat ni
opus lai niv vin
jotae miuof kiphae;
Piú Ni Domu
domus status statae
nai ni opus deni
quat mi avat iodomuo; 
Piú Ni Domu 
allus turban sact sactum
refetus mitrae sattus octupum
allum cóium piv dierae mudea.

Autor | Auttur: Carlos Cordoeiro. 

sábado, 18 de novembro de 2017

Poema Na Campa da Minha Morte

Na Campa da Minha Morte serei tão perfumado
como o perfume que usaste todos os dias,
nas nossas noites mais especiais,
naquelas noites de um amor tão intenso como mortal;
Na Campa da Minha Morte sentia as rosas
como te senti a ti na minha cama
todas as manhãs com leves beijos
intensos por sensações que nunca hei-de esquecer;
Na Campa da Minha Morte adormeci
tão calmo e pleno como fiz no teu peito
depois de um sublime envolver amoroso
entre luzes nocturnas que  davam carinho ao nosso amor;
Na Campa da Minha Morte senti calma
como todos os dias que tu fazias de mim uma pena
das mais leves que pode pousar em águas furiosas
como por vezes as tempestades do meu interior incomodavam.




Na Campa da Minha Morte eu cheirei flores
como aquelas que eu te dava todas as manhãs
juntamente com o beijo na tua face rosada
e doce do acordar gélido de uma brisa de montanha;
Na Campa da Minha Morte petrifiquei
por todas as felicidades que me pudeste dar
e eu sem reacção adorava-te ainda mais e
cada vez mais por todo este amo ser gigante;
Na Campa da Minha Morte senti
como ninguém o verdadeiro amor contigo
de forma tão pura e ingénuo que eu sabia que
tudo isto era um amor eterno e verdadeiro;
Na Campa da Minha Morte chorei
chorei por saber que passou tanto tempo
mesmo sabendo que vivi tudo de bom,
mas agora posso descansar pelo alegria, pela bondade, pelo nascimento.

Autor: Carlos Cordoeiro.

sábado, 11 de novembro de 2017

Poema Somos Algo

Somos Algo mesmo que indefinido
que nos vemos e sentimos
com ou sem amor,
é tudo tão puro.

Somos Algo que geometricamente
é indefinido mesmo que tracemos
algo mais concreto e nem tanto abstracto
como esta nossa amizade de cotas e afastamentos distantes.

Somos Algo incrivelmente apetecível
somos melhor que aquele chocolate que sonhamos
mesmo sem açúcar somos os mais doces
por mais amargo que seja a receita disto tudo.

Somos Algo tão puro como a visão
que eu tenho das montanhas mais altas
e das brisas mais refrescantes como aquelas gélidas
manhãs em que acordava frio e envolvia-me para esconder algo.




Somos Algo tão perdido como o Abstracto
de todo este nosso sentimento confuso
pela confusão das nossas palavras
que se mistura com a doçura dos nossos olhares.

Somos Algo demasiado perdido em nós mesmos
e através de um só nos encontramos de forma perdida
através das conversas mais sorridentes e por isso
nos adoramos como somos, loucamente saudáveis.

Somos Algo tão perdido que sinceramente nunca nos encontramos
apenas através das palavras nos completamos tão bem
que os olhares são demasiadas informações para tudo isto
simplesmente trocamos as palavras mais simples e sinceras.

Somos Algo mesmo nos dias mais chuvosos, tristes e banais
ainda assim fazemos das nossas palavras algo tão superior
algo tão grandioso como todo este sentimento e vontade
de nos unirmos como algo tão puro e que simplesmente acontece.

Autor: Carlos Cordoeiro.

Poema Noite

Pelas estrelas da noite
que seja a noite um manto
onde o teu sono
seja o descanso brilhante.

Que as estrelas da noite
e que brilham tão intensamente
sejam o céu do teu sono
devagar e que faça tu adormeceres tão lentamente como o amor.

Que esta noite não sintas o gélido frio
da brisa nocturna que corre pelas ruas frias
da cidade onde vives
mesmo sem saberes, dorme calmamente.

Esta noite que faça do teu sono
algo tão suave como o beijo materno
de todas as noites para deixares-te adormecer
pelos lençóis finos da doçura de um sono.

Autor: Carlos Cordoeiro.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Poema Nunca Fui Tão Feliz

Nunca Fui Tão Feliz
como nestes dias de completa
angústia mesmo sabendo que
algo podia ser melhor que tudo isto;
Nunca Fui Tão Feliz
mesmo pensando no pior de mim
em todos os sentidos, ou mesmo
pondo fim a tudo isto de forma aleatória;
Nunca Fui Tão Felizmas como passagens, como algo passageiro
mesmo sabendo que isto parecia um filme
tudo a mexer, mas nada fixo, nada nítido;
Nunca Fui Tão Feliz
como nos dias cinzentos de um amor
sozinho só por mim ou por dois
que não existem como algo maior, por isso nada existe.  




Nunca Fui Tão Feliz
excepto no momento que tenho que te
ver e aturar mesmo contra a minha vontade
mesmo sabendo que supostamente queres o meu bem;
Nunca Fui Tão Feliz
excepto quando me pedem para ser mais adulto
do que sou agora, embora nunca o seja, mesmo
quando me fazem pressão para aquilo que não é desejável;
Nunca Fui Tão Feliz
tirando momentos de tensão e agonia
que não gosto de recordar ou então
de tornar verdadeiro aquilo que me faz chorar;
Nunca Fui Tão Feliza não ser que tu queiras fazer a minha vida, pela tua...
mesmo sabendo que isso é o que eu não gosto, quando
decides por mim aquilo que eu nunca quis, visto que eu sei o melhor para mim.

Autor: Carlos Cordoeiro.

domingo, 29 de outubro de 2017

Poema Por Ti

Por Ti eu amo-te tanto
que era maior que os nossos corações
mesmo sendo um amor grandioso
como os nossos beijos subtis.

Por Ti seremos o melhor par de dança
farei de ti, aquela que desliza na
minha sensualidade de te querer
como agora tão suavemente como as minhas mãos em ti.

Por Ti eu sou completamente perdido
que não sei muito bem se
te amo ou se te adoro mas sinceramente
tudo isto é tão intensamente, estou com calor.

Por Ti dançava bem junto a ti
para te sentir suavemente enquanto sorria de desejo
enquanto juntava as minhas mãos ás tuas de tanto prazer
e desejo por ti, em tocar-te e amar-te loucamente.

Autor: Carlos Cordoeiro.

Poema O Início

Olhei para ti desde do início
mas tentei não me intimidar
sem antes tentar
eu impressionar
sem antes ter por ti um indício.


Olhei pela minha vontade
mesmo quando o teu olhar
era um punho de beldade
quando eras brutalmente bela
e fazias de mim uma gelatina do amor.


Olhei tanto com admiração
vi em ti um anjo que podia amar
mesmo no início
isto tudo sendo difícil
visto que timidamente comecei a amar-te.


Agora que te imagino minha mulher
ou pelo menos amante das noites
mais perfumadas e intensas
quero contigo tentar os troques tão suaves
o sublime do desejo e do apetecível.


No teu corpo quero sentir-me desejado
quero levemente deixar a minha mão
explorar-te mesmo de forma inocente
quero sentir tudo isto livremente
sem pecados, nem defeitos, nem medos.


Quero amar-te como sempre sonhei e desejei.

Autor: Carlos Cordoeiro.

domingo, 22 de outubro de 2017

Poema Se Eu Morresse

Se Eu Morresse não saberia na
verdade se te tinha amado
como te tinha prometido;
Se Eu Morresse não sabia se eu
tinha perdido o melhor de nós
mesmo sendo tudo simples;
Se Eu Morresse nunca iria ter aqueles
anos para recordar os nossos melhores
momentos no sofá, à lareira, inverno;
Se Eu Morresse nunca iria saber se
te fiz feliz e se viste em mim
o príncipe que sempre desejaste desde miúda.




Se Eu Morresse nunca poderia saber se
eu era um anjo, ou um herói
para ti, para os nossos filhos;
Se Eu Morresse nunca saberia o que eu fiz
neste mundo por mim ou por ti
simplesmente ficava pelo desconhecido;
Se Eu Morresse nunca poderia brilhar
para ti, como o Amor que sempre
prometi, nem podia proteger;
Se Eu Morresse nunca iria saber o
final da história, o que eu fiz por ti
ou se simplesmente vivi sem propósito.


Autor: Carlos Cordoeiro.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Poema No Caminho Certo

No Caminho Certo
tracei um desejo ardente
por ti, desde sempre
que em ti vejo um Amor louco;
No Caminho Certo
eu descubro o que é isto
sendo Amor ou não
sei que isto é para durar;
No Caminho Certo
vejo-me tão belo
como as flores deste meu jardim
deste jardim tão sublime;
No Caminho Certo
descobri que tudo isto é tão intenso
como os nossos beijos
intensamente e eroticamente imaginados.




No Caminho Certo
vi amores tão sublimes e tão subtis
que perfumavam o meu dia
como agora a primavera que há em mim;
No Caminho Certo
descobri que a dor é passageira
mas o Amor não é
por isso estou eternamente a amar;
No Caminho Certo
algo superior mas que não vejo
mas sinto como algo puro
como tudo isto que sinto agora por ti;
No Caminho Certo
quero descobrir se és a flor
dos meus sonhos ou então simplesmente
a dor quotidiana dos meus dias.

Autor: Carlos Cordoeiro.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Poema Pelo Menos

Pelo Menos sei que estás por aqui
assim podemos nos amar mais
como eu sempre sonhei
naqueles sonhos mais atrevidos;


Pelo Menos sei que estás por perto
mesmo por vezes eu achando
que é um sonho, oh mas este
sonho é bom demais e posso amá-lo;


Pelo Menos sei que me amas
e eu o mesmo, porque choro
quando estás longe mesmo que
não seja a despedida final;


Pelo Menos sei que te posso amarcomo sempre e beijar-te como
não existisse amanhã ou então
deixar-me levar pelo sublime dos nossos beijos.


Autor: Carlos Cordoeiro.

Fado Poema

Este meu sentimento
que foi caminho
da minha sina
má ditada pela má sorte.

Este meu destino
tão mal traçado
por esta amargura
de ser mal amado.

Este meu sentimento
tão perdido por ti
que agora apenas
estou por ti.

Este meu destino
que agora não está mal
como de antes
mas apenas sou um fio num dedal.

Autor: Carlos Cordoeiro.

Poema Confio

Confio eu podia ser tudo
por completo sem qualquer
julgamento ou olhares indiscretos
apenas só nós como agora;
Confio podia ser mais do que quis
mas por agora somos isto
embora sejamos já algo bom
bom demais que se torna especial;
Confio há esperança
de tudo isto ficar melhor
ficar como de antes
mas agora melhor;
Contigo não tenho medos,
não tenho qualquer receio,
não tenho qualquer pudor
do que possa vir, seja bom ou mau.




Contigo posso ir por qualquer caminho
porque confio em ti,
confio no nosso amor,
confio desde sempre em nós;
Confio que me desejas o melhor Amor
como eu a ti, desde sempre
desde das nossas longas cartas
trocadas como beijos íntimos;
Confio em ti como um filho numa mãe
como aquele amor inocente,
como aqueles olhares inocentes,
como todo estes gostos inocentes;
Confio no momento em que despertaste
em mim todo um brilho
que eu partilho contigo desde sempre
porque te amo mais que tudo.

Autor: Carlos Cordoeiro.

sábado, 7 de outubro de 2017

Poema De Mim

De mim sai amizade
e não crueldade;
pois da minha solidariedade
sai amor e amizade.

Dos meus olhos
saem o chorar,
pois do chorar
sai a dor e o sofrimento
que eu passei a pôr,
estes anos todos que
agora tenho 11 anos.

Da minha poesia
sai o talento,
do talento sai a fama,
pois a minha profissão
pode ser qualquer uma
porque eu invento
uma coisa e ao fim
dá, alegria para pessoas
de bom coração.


Autor: Carlos Cordoeiro
(Poema escrito com 11 anos)

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Poema A Flor

Querida flor,


Querida flor que floresces no meu coração
tão intensamente e que despertaste em mim prazeres
atrevidos como o atrevimento que tenho por ti
mas de forma regrada.

Minha flor que despertaste em mim um Amor por ti
loucamente intenso que faz de mim uma nova flor
que ainda é feia mas irá tornar-se linda como tu
neste dias frios e gélidos mas sempre com alguns raios tímidos de sol.

Oh minha flor que fazes me sentir tão bem,
tão profundamente na beleza das cores mais sublimes
assim como os dias tão longos que nos deixamos deitar
na relva fria de um jardim contemplando as estrelas como nós.

Adorável flor que estás sempre presente em mim,
que agradavelmente me purificas constantemente
e por isso sinto-me bem contigo, em mim e no Mundo
por isso é que somos agradavelmente um cheiro sublime na natureza.


Autor: Carlos Cordoeiro. 

Poema O Momento

O momento é este que sinto aqui e agora
contigo, no carro a viajar pelo nosso amor
que ainda agora começou nos primeiros
segundos do nosso filme favorito; 
O momento penso eu que poderá
ser aquele que imaginamos como o melhor
mesmo tendo como incerto
isto mesmo, o momento melhor para nos amar;
O momento é este, tenho a certeza,
os nossos olhos são estáticos um pelo outro
as nossas bocas estão tão próximas
como a minha mão do teu corpo mais íntimo;
O momento é toda esta intensidade que não consigo falá-la
mas apenas senti-la tão intensamente e de forma tão pura
que eu mesmo tenho dificuldade em aguentar tanto amor
mas sinto-o bem cá dentro e por isso te escrevo constantemente.




O momento é nosso, sempre o foi, e será
por isso é que somos naturalmente belos
mesmo quando os dias são mais cinzentos
e haja mágoa entre nós os dois; 
O momento é tão intenso como um beijo
que não é dado mas é pensado
por isso ainda tenho mais vontade de o dar
mesmo sabendo que é um risco de me apaixonar facilmente;
O momento
é tudo isto que te escrevo
mesmo parecendo repetido ou até banal
mas tudo isto que está cá dentro é tão verdadeiro
como timidamente o que quero e mostro a ti;
O momento foi é e sempre será o que te escrevo mesmo quando não quero
O momento é este prazer de escrever sobre e para ti de coração
O momento é saber que mesmo pela amargura adoro-te através das minhas palavras,
bem O momento é tudo isto que faz sentido bem no meu coração que é iluminado por ti.

Autor: Carlos Cordoeiro.

domingo, 1 de outubro de 2017

Poema Flor

Flor que floresces no meu coração
e tornas todo este sentimento
como um aroma tão suave
como os leves lençóis do nosso amor.

Minha flor que és pétalas
entre o nosso cetim misturado
com o teu acordar e o teu suave sorriso
como a leve brisa da primavera.

Entre lençóis perfumados
como os nossos beijos eternizados
entre aromas tão fortes
como este nosso amor tão aditivo.

Como a nossa pele é tão suave
igual aos beijos intensos que trocávamos
entre carícias tão fogosas que a nossa pele se arrepiava
de tão sensível que eram nossos corpos. 

Este nosso amor tão intenso como a luz do sol
que faz de nós também estrelas, por isso é que o
nosso amor brilha tanto, e por isso somos intensos.

Autor: Carlos Cordoeiro. 

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

IN SITTU


https://www.youtube.com/watch?v=0RSxhb-9FsA&t=16s

(olha o link em cima)

IN SITTU

IN SITTU, é um vídeo que questiona a Pintura como meio expressivo.Actualmente há limites na Pintura? Existe o transcendental enquanto meio plástico alcançável? Existe o silêncio e o nada na Pintura enquanto execução artística? O que torna a Pintura um meio tangível? Qual a barreira entre o visível e  o imaginário? O que é a sombra? O que é o pincel? Quais os suportes que realmente existem e aqueles que parecem ser irreais? Qual o verdadeiro significado da Pintura?
IN SITTU, não é mais do que uma experimentação em suporte de vídeo onde explora as Artes de forma muita crua, muita rude, muito despida sem qualquer tipo de apoio sonoro, apenas o que se vê é o que é.

Criador do vídeo: Carlos Cordoeiro.
Autor do texto: Carlos Cordoeiro.